26 outubro 2009



Mal nos conhecemos
inaugurámos a palavra “amigo!”.
“Amigo” é um sorriso de boca em boca,
um olhar bem limpo,
uma casa, mesmo modesta, que se oferece,
um coração pronto a pulsar
na nossa mão!

“Amigo” (recordam-se, vocês aí,
escrupulosos detritos?)
“Amigo” é o contrário de inimigo!
“Amigo” é o erro corrigido,
não o erro perseguido, explorado,
é a verdade partilhada, praticada.
“Amigo” é a solidão derrotada!
“Amigo” é uma grande tarefa,
um trabalho sem fim, um espaço útil,
um tempo fértil,
“Amigo” vai ser, é já uma grande festa!
Alexandre O'Neill,
in “No Reino da Dinamarca”

3 comentários:

EBernardes disse...

Os detritos não têm memória!!!

Atiz disse...

MUITO BONITO! totalmente real e verdadeiro!
São poucas as amizades que correspondem ao texto, mas só essas valem a pena viver!

©carmen zita disse...

"escrupulosos detritos", se faz favor.

:)