18 agosto 2008

Vaga mágoa




Paira à tona de água
uma vibração.
Há uma vaga mágoa
no meu coração.

Não é porque a brisa
ou o que quer que seja
faça esta indecisa
vibração que adeja;

Nem é porque eu sinta
uma dor qualquer.
Minha alma é indistinta,
não sabe o que quer.

É uma dor serena,
sofre porque vê.
Tenho tanta pena!
Soubesse eu de quê!...

Fernando Pessoa
in Poesia 1918-1930, Ed. Assírio & Alvim,

Lisboa, 2005, pg. 296

3 comentários:

su disse...

Talvez porque se sente, porque se pensa à mistura...e a partir desse momento, o estado de inquietação persegue-nos como uma doença ligeira mas obssessiva...permanentemente sempre lá!!

Admirável fotografia!!

Beijinhos bem GRANDES!

Justine disse...

Olá Tita! Que bem escolheste, este poema do FP é tão subtil, tão ritmado, tão belo. E Está ilustrado na perfeição.
Beijo grande

Rosa dos Ventos disse...

Belíssima imagem a acompanhar um poema não menos belo de Fernando Pessoa!

Abraço